21.12.09

Frio como sempre, decidi não gostar mais por nada sem valor. Não. Não forçar mais. Não tolerar só pelo prazer dos outros. Não esperar os sorrisos comprados ao valor do velho peixe. O valor é meu e o que posso juntar ao meu lado como bom. O valor é meu e de quem estiver ao lado. Sejamos sinceros. Sejamos reais.

10.12.09

9.12.09

Elefantes

Sonhava com elefantes. Quatro. Entre as colunas gigantes que sustentavam o céu, três seguiam ao lado de quem os comandavam. Obedientes e limpos. Logo atrás da ala pomposa, ela e seu elefante. Outra raça, nem tão inteligente, nem tão obediente. Insistia em segui-la ou simplesmente desviar-se e não andar a seu lado como era o costume. No final do caminho que era preciso percorrer por necessidade era a montanha íngreme.
No final do caminho o corredor entre colunas se alargava e se estendia. O final do caminho nunca chegaria.