29.11.10

Um sorriso tremido atirado num som quase transparente pronto para desfazer-se volátil no vapor de um “AAh!”.

24.11.10

21.11.10

je t'attend là


Arqueou num bocejo conduzido
Pose treinada, internalizada
Perfeição do momento. A mosca sabe
Que será engolida à distância
Golpe único. Ela para as asas
E ajuda.

20.11.10

des.temp.eros ou O Lobo Mau

...
Teus pés. À teus pés. Minha sujeira, minha clareza...
Você  não me importa. Eu não sou o que deveria
E nos desencontramos tanto aqui como lá
Teus pés não são como deveriam.
Teus olhos são maiores
Tua boca não deveria ser tanta
Teus seios não dizem nada
Teus pés
Displicentes
Escondem os desejos dos sujos
Ansiedade do impossuído
Foda-se!
Foda-me...

16.11.10

Reject! Eject! Prá onde agora?...

Eu deveria deixar a fúria engatilhada

Eu deveria deixar a fúria engatilhada
Mas não
Vou até o monte mais negro e me encosto
Na árvore mais vermelha
E deixo passar
Vão gatos, aranhas, sapos, lagartos
E vai ela...
Eu deveria deixar a fúria engatilhada
Mas não
Eu só olho...

Párias



Contrária. Pelo avesso da verdade já conheço o cheiro dos lábios. E o gosto do corpo lançado ao chão. Embotado, sem fio. Não há folha que o corteje mais. Hoje, aparelho de sobreviver. Mas nem sempre...
  
Então como.

9.11.10

Eu tenho pensado em cerejas e gatos..

Todos dizem:
muito além de cute, que eu seja cult, nem que só prá você.
(mãos na cabeça e olhos arregalados)
muito além do cult, que eu seja cute, nem que só prá você.
(dança assim e não mostra )
Ela diz:
desconjunta isso, nem que só prá mim.
(lábios transversais e corpo quase solto)
Eu tenho pensado em cerejas e gatos...

8.11.10

hoje

Só me faço ou desfaço
Esqueci da violência
Agora é onda quase plana
Arquivada

5.11.10

conforto


Quem sem gravidade sentirá? Quem sem peso sentiu?
Quem sem pulso?
Só nós, atingidos sem pressa pela mudança das eras.
Só nós em nosso grão apertado pela transformação
Nosso tempo tão só nosso e fugitivo.
Quem sem gravidade sentirá? Quem sem peso sentiu?
Quem sem pulso?